Como preencheu o Calendário de 2017

Como preencheu o Calendário de 2017

Achei que correr nunca estaria na minha linha da vida. Enganei-me redondamente… e ainda bem! 

Ouvia falar de todas as contrariedades de quem corre e ficava incrédula:“Custou-me horrores terminar esta prova, mas quando a acabei achei que levitava. O mundo ficou mais bonito. O céu mais azul… bla bla bla”.

2016 estava a chegar ao fim e eu queria tanto mudar a minha vida. Para melhor! A rotina do trabalho, da casa, dos miúdos tornara-se tão igual que parecia perder a graça. O trabalho era o mesmo de sempre, a casa exigia o mesmo de mim e os miúdos começaram a ficar mais autónomos. Chegara a altura de olhar para mim. Quarenta e cinco anos, sempre cansada, insónias, calças 2 números acima e bofes de fora ao fim de um lance de escadas? Chega! 

Falaram-me do enorme incentivo que era o calendário de corrida da Run is a Gift e resolvi aderir! Escolhi dois objectivos antes de o pendurar na maior parede da cozinha: correr duas vezes por semana e meditar três minutos por dia. 

Na meditação punha uma bolinha verde, e nas corridas punha um “X” com um marcador preto. Comprei uns bons ténis para correr e escolhi algumas rotas que me pareceram possíveis ali bem perto do meu escritório. 

Lembro-me do primeiro dia em que falhei o “X” de uma quinta-feira. Tive uma reunião e na realidade até poderia ter feito a corrida mais tarde, mas fui preguiçosa. Na manhã seguinte, tinha o meu marido e os meus filhos a perguntarem onde estava o “X” do dia anterior. Quase que corei e arranjei 1001 desculpas… mas não eram suficientemente boas e isso levou-me a ser mais forte e a lutar mais contra as minhas fraquezas. 

Ao fim de 2 meses aumentei e intensifiquei os meus objectivos. Desde então, e até hoje, foi sempre a melhorar a minha performance. Superei-me a cada semana… mostrei a todos e, em especial, a mim mesma que conseguia. 

Comecei por correr 2/3 km por cada corrida e hoje, dia 25 de Dezembro, acordei cedo e corri sozinha a minha primeira meia maratona. Não era essa a minha intenção, mas aos 10 km senti que conseguia correr mais 5 km e aos 15 estava tão perto dos 20…, e os 20 eram o mais perto que estive da meia maratona! No fim, levitei e acho que ainda não aterrei!